podem tem fim.
alguns infinitos,
© theme

+


Será que o foda-se, uma vez ligado, pode ser desligado? 



2 days ago · 0 notes · reblog baby ,

Tem dias em que eu acordo com um aperto no peito. Aquele sentimento agoniante que não passa, sabe? Tento lembrar o que aconteceu pra me deixar desse jeito, e já nem me surpreendo quando me deparo com sua imagem em minha mente. Eu só queria saber onde eu errei, é pedir muito? O que eu fiz pra afastar de mim uma das pessoas mais importantes da minha vida. Você não tem noção de como eu tenho medo de agir assim com alguém especial novamente. De perder alguém importante, como perdi você. Aliás, será que eu já tive um dia? A dúvida é assustadora. O medo de cometer o mesmo erro novamente também. Foi falta de amor? Atenção? Carinho? Só me diz por que? Amores devem ser eternos e recíprocos. Então, das suas uma: ou você nunca me amou - e cogitar isso me é inconcebível-, ou tem um jeito de amar condizente contigo, estranho, idiota e retardado.


Ah! Tem coisas que não dá
Pra passar batido
E ser esquecido assim
Pois é
Talvez eu seja uma pessoa qualquer
Que durou mais que o combinado
Nesse seu jogo tão fechado
Fiquei mal
Mas de qualquer forma isso foi o sinal
E você me fala que tudo é normal
Me pede desculpa, não foi sua culpa
Tá tudo legal
Pois é
Se o tempo que cura ele tá demorando
Saudade idiota só vai aumentando
Deus, me ajuda que eu tô pirando
Eu tô pirando
Seu número de celular é fácil apagar
As coisas que me deu eu também posso quebrar
Mas dentro do meu coração tem foto sua
Tem saudade sua espalhada por todo lugar
— Saudade idiota - Lucas Lucco

Às vezes ficamos bem, mas depois vem o desespero
Eu tento esconder, mas vi que pensei em você o dia inteiro
Mas sempre haverá uma data, palavra, um olhar
Um filme, uma música, pra te fazer lembrar
Um perfume, um abraço, um sorriso só pra atrapalhar
Só pra te fazer lembrar de mim
— Pra te fazer lembrar - Lucas Lucco

Tempo ocioso gera pensamentos idiotas.


Ela não sentia nada, mas isso não a incomodava, não mais. Estava ali pelo prazer que aquela experiência poderia lhe proporcionar. Não haveriam beijinhos e passeios de mãos dadas, mas seu coração não estava em condições de viver outro romance. Ela sabia disso, e por esse motivo resolveu procurá-lo. Queria conhecer um mundo novo, testar seus limites, conhecer seu corpo. Não se importava se, pra isso, precisasse se entregar nas mãos de um quase-desconhecido, afinal, vivemos nossa vida inteira pensando conhecer as pessoas e, no fim, elas nos surpreendem. Nos torturam, nos magoam e, infelizmente, nos decepcionam. Que sentido faz sentir? Ela não queria. E não sentia. Ela não sentia nada.

Ela não sentia nada. Estava ali, jogada, de joelhos, aos pés daquele homem. Ele era bonito, até. O tipo de cara que um pai gostaria que sua filha namorasse. O que será que esse pai pensaria se soubesse o que ele faria com sua menininha? Sorriu ao imaginar a ideia. Ele se aproximou. Com a cabeça baixa ela conseguia ver os pés descalços do seu Dominador. Sentiu as mãos dele segurando seu cabelo, forçando-a a olhar para seu rosto. Os olhos dele se iluminaram com um brilho sádico. Ela sabia o que viria pela frente, e gostava da ideia. Imaginou quantas garotas estariam dispostas a fazer o que ela estava fazendo. Quer dizer, a maioria acharia estranho, até humilhante. Mas era gostoso. Sorriu indecentemente para o homem à sua frente.  Ele lhe deu um tapa no rosto. Ardeu. Automática e inconscientemente ela levantou aos mãos para afagar a bochecha. OPS! Erro grave. O olhar de reprovação do seu Mestre não lhe deixava a menor dúvida. Uma sensação de ansiedade tomou conta do seu corpo despido, e, enquanto ele se afastava, ela sabia que ele retornaria para castigá-la. Fechou os olhos e tentou imaginar mil e uma formas de ser machucada. Relaxou. Não importava. Só queria ter o cérebro ocupado para não pensar. Não sentir. E então, durante um momento de espera que durou uma eternidade, ela não sentia nada.



Você mostrou a ele o seu melhor
Mas eu tenho medo que o seu melhor
Não fosse bom o suficiente
E sei que ele nunca quis você
Pelo menos não da maneira
Que você queria mesmo ser amada
E você sente como se você fosse um erro
Ele não vale todas essas lágrimas que não vão embora

Eu queria que você pudesse ver que
Ainda que você tente impressioná-lo
Ele nunca vai ouvir

E agora que você cresceu
Com essa noção de que você foi culpada
E você parece tão forte as vezes
Mas eu sei que você ainda se sente a mesma
Como aquela menina que brilhava como um anjo
Mesmo depois do coração preguiçoso dele fazê-la passar pelo inferno

— Broken Angel

Se quer ir, vá, seja feliz!
Mas se ficar, por favor, peço que não transforme minha vida em uma novela mexicana. De drama bastam os meus. E não são poucos.


Quando vejo essas menininhas inseguras declarando aos sete ventos que sofrem por amor eu paro e penso: puta que pariu, eu já tive essa idade! Já “sofri” por relacionamentos. Já proibi namoradinho de ir na rua com os amigos, e fui proibida de sair com fulano ou falar com beltrano. Já escrevi aquelas cartinhas enormes e não deixava ninguém ficar no topo dos depoimentos do orkut daquele garotinho que eu gostava. Já chorei por coisas idiotas, tive ciúmes até da minha sombra e fiz vídeos bobos de declarações de amor. Aliás, já fiz músicas, escrevi textos e fiz poesias para alguns. Já briguei por motivos fúteis, e cheguei a terminar com a mesma pessoa duas vezes em um só dia. Minha insegurança era tanta que eu cheguei a falar que ele não podia sair sem mim. Já falei “eu te amo” pra pessoas que não significavam nada em minha vida, e pensei amar pelo menos uma dúzia deles. Enfim, olhando pra traz eu percebo o quanto amadureci, e me orgulho disso. Eu era tão bobinha e fútil. Sonhadora e inocente. Não é que eu não seja mais romântica e tenha meus sonhos “adolescentes”, mas com o tempo a gente aprende a sonhar - e amar - com os pés no chão. Alguns erros não devem ser repetidos. Isso é crescer. Amadurecer.




Você é todo errado. Imprevisível, misterioso, subjetivo, cheio de sarcasmos. Nunca fala as coisas na lata, e, quando o faz, diz de um jeito tão sério que chega a ser assustador. Explosivo e exigente, me dá medo provocar você. Seu olhar é profundo, carrega algo que até hoje não fui capaz de identificar, e sempre que pousa seus olhos em mim eu me sinto exposta, como se você fosse capaz de enxergar algo além de mim mesma. Autoritário e dominante, é quase impossível não me render a você, às suas ordens, não desejar ser completamente sua. Excitante e perigoso. Se eu tivesse algum radar que medisse encrenca, ele piscaria em vermelho quando estivesse por perto. Irresistível. Intenso. Você marcou presença em minha vida, na minha mente, em meu corpo e no meu coração. Suas imagens, nossos momentos, meus sentimentos por você estão incrustados em mim como uma tatuagem irremovível. Eu não saberia viver sem saber que você está aí, em algum lugar, com cada qualidade e defeito que te tornam quem você é. Alguém que me fascina, me domina, me encanta, desperta meus desejos mais profundos. Capaz de me levar a extremos: do sorriso às lágrimas, da paz ao desespero. O que eu tive contigo, estou certa de que não terei com mais ninguém. Porque nosso coração e nosso corpo podem ser conquistados, ao longo das nossas vidas, por alguns. Mas nossa alma… que eu acreditava ser inatingível, essa não. Você foi capaz de tocar a minha, e eu amo cada pedacinho seu por isso, por ter me dado a oportunidade de sentir uma conexão que a maioria jamais sentirá. Você é absurdamente errado, e isso me enlouquece. Mas eu daria qualquer coisa pra ter seus erros em minha vida. Sem subjetivismos, eu te amo.


Há dois anos, nesse momento, eu dormia em seus braços. Lembro que você estava um pouco sombrio, assustador, eu diria, mas era gostosa a sensação de ter medo de você. Contigo as coisas eram meio imprevisíveis, nunca vi alguém pra mudar de humor tão fácil como você. De qualquer forma, ali, deitada, com a cabeça encostada em seu peito, podia sentir seu coração, e isso era relaxante, sempre me senti em casa em seus abraços.